Coleção Estradas de Ferro - Estradas de Ferro (1875-1957)

Zona de identificação

Código de referência

BR BRJFPR Estradas de Ferro

Título

Estradas de Ferro (1875-1957)

Data(s)

  • 1891-08-29 - 1960-07-22 (Produção)

Nível de descrição

Coleção

Dimensão e suporte

Conjunto de processos que tratam das Estradas de Ferro

Zona do contexto

Nome do produtor

História biográfica

História do arquivo

Fonte imediata de aquisição ou transferência

Arquivo Público do Paraná

Zona do conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

De acordo com João Emílio Gerodetti e Carlos Cornejo (2005), a primeira linha de trem de Curitiba foi inaugurada em 2 de fevereiro de 1885, entretanto sua direção sofreu várias alterações:
“A concessão foi transferida para a Compagnie Générale de Chemins de Fer Brésiliens, de capital francês, a qual construiu o Ramal de Morretes a Antonina em 1892 e prolongou a linha-tronco, de 1891-1894, até Ponta Grossa, com 183 quilômetros […]. Em 1902, as ferrovias paranaenses foram encampadas pelo Governo da União, que constituiu a Estrada de Ferro do Paraná, a qual foi arrendada em 1904 ao Engenheiro Carlos João Westermann e, em 1910, à Companhia de Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande, com o compromisso de completar as linhas projetas […] em 1914 a Brazil Railway Company entrou em concordata e junto com ela a Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande.”

A Estrada de Ferro Paraná, foi o primeiro trecho ferroviário a surgir no estado do Paraná, em 1870, o Império recebeu um pedido de concessão para a construção de uma ferrovia que ligasse o Litoral ao planalto curitibano. A ideia era que a linha partisse de Antonina rumo à capital da província, entretanto, a pressão política surtir efeito e em decreto imperial publicado em 1º de maio de 1875, foi determinado que o trem partiria de Paranaguá.
Antes que obra começasse, a Corte solicitou uma nova análise do traçado para verificar se não havia uma opção que fosse mais negociável com empresas estrangeiras. Em 1877 foi aprovado um novo traçado baseado nos originais de Antônio Rebouças, com adaptações dos engenheiros Rodolpho Alexandre Helh e Luiz da Rocha Dias. Passados dois anos, foi autorizada a transferência da concessão para a Compagnie Générale de Chemins de Fer Brésiliens, de capital francês.

A Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande (EFSPRG), teve início entre os anos de 1908 e 1910, sua construção movimentou toda a região que hoje corresponde ao meio oeste catarinense, reuniu um grande contingente de mão de obra, em um período relativamente curto, milhares de homens deslocaram-se para a região do vale do rio do Peixe a fim de trabalhar nas pesadas tarefas de abertura de caminhos, assentamento de trilhos.
A construção da EFSPRG foi, desde seu princípio, bastante peculiar, pois foi realizada a partir de várias frentes de trabalho, como por exemplo o trecho entre Santa Maria da Boca do Monte e Cruz Alta, que era da companhia Chemins de Fer Sud Oest Brésiliens. A tarefa da EFSPRG passou a ser realizar a linha entre Itararé, em São Paulo, e as barrancas do Rio Uruguai, divisa entre Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A Brazil Railway Company foi fundada em novembro de 1906, tinha o objetivo de controlar o sistema ferroviário do Sul do Brasil, mas tinha participação em outros empreendimentos do país. A companhia controlava outras empresas por meio de participação acionária, sendo proprietária das estradas de ferro: Estrada de Ferro Sorocabana; Estrada de Ferro Madeira – Mamoré; Estrada de Ferro Paraná; Estrada de Ferro Dona Teresa Cristina; Estrada de Ferro Norte do Paraná; Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande; Estrada de Ferro Vitória a Minas; Estrada de Ferro Paulista S/A; Cia. Mogiana de Estradas de Ferro; Companhie Auxiliaire des Chémins de Fer au Brésil.
A Diretoria da Brazil Railway Companhie teve, durante os anos da construção da EFSPRG, três grandes problemas: a aceleração da construção da Linha Sul, a carência de mão de obra em seus serviços (agravada pelos ataques indígenas em novembro daquele ano) e o compromisso com a colonização da região, determinada pelo decreto n. 6. 533 e detalhada pelo acordo celebrado entre a Companhia e o Ministério em dezembro de 1907.

Em 1940, durante o governo Getúlio Vargas, todos os bens da Brazil Railway Company foram encampados e incorporados à Rede Viação Paraná – Santa Catarina (RVPSC).
O Governo da Federal, através do decreto nº 4.746 de 1942, encampou-as ferrovias estavam sendo operadas em condições precárias, instituiu a Rede de Viação Paraná – Santa Catarina (RVPSC), que nasceu da fusão das seguintes ferrovias:
Estrada de Ferro Paraná trechos: Paranaguá a Curitiba (1885); Morretes a Antonina (1892); Ponta Grossa a Curitiba (1894); Ramal de Rio Negro (1895); Serrinha a Mafra (1902);
Estrada de Ferro Norte do Paraná trecho: Curitiba a Rio Branco do Sul (1909); Estrada de Ferro São Paulo – Paraná trecho: Ourinhos a Cornélio Procópio (1930); Cornélio Procópio a Londrina (1935); Londrina a Apucarana (1942);
Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande trechos: Itararé a Marcelino Ramos (1910); Corupá a Mafra (1913); Mafra a União (1917); Corupá a São Francisco do Sul (1910); Ponta Grossa a União da Vitória (1905).

ESPIG, Márcia Janete. A construção da Linha Sul da Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande (1908-1910) mão de obra e migrações. In: Várias Histórias, Belo Horizonte, vol.28, no 48, p.849-869: jul/dez 2012.
GERODETTI, João E.; CORNEJO, Carlos. As ferrovias do Brasil nos cartões-postais e álbuns de lembranças. São Paulo: Solaris Edição Culturais, 2005.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de organização

Zona de condições de acesso e utilização

Condições de acesso

Condiçoes de reprodução

Idioma do material

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Zona de documentação associada

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Zona das notas

Nota

Estradas de Ferro (1875-1957)

Identificador(es) alternativo(s)

Pontos de acesso

Pontos de acesso - Assuntos

Pontos de acesso - Locais

Pontos de acesso - Nomes

Pontos de acesso de género

Zona do controlo da descrição

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Nível de detalhe

Datas de criação, revisão, eliminação

2017-10-02 (criação)
2017-11-14 (revisão)

Línguas e escritas

  • português

Fontes

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Géneros relacionados

Locais relacionados